O fenômeno El Niño está se intensificando com as mudanças climáticas?

Departamento de Meteorologia
Instituto de Geociências - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Lajeado, no Vale do Taquari (RS), uma das regiões mais atingidas pelas enchentes de 2023

FOTOS: MAURICIO TONETTO

Os eventos El Niño (La Niña, cujas características serão sempre apresentadas entre parênteses neste texto) são caracterizados pela elevação (redução) da temperatura da superfície do Oceano Pacífico Equatorial associada ao enfraquecimento (fortalecimento) dos ventos alísios, que ocorrem irregularmente em intervalos de aproximadamente 2 a 7 anos naquela área. Essas condições ocasionam algumas alterações na circulação atmosférica e oceânica, afetando o clima global, os ecossistemas marinhos e terrestres, as atividades humanas, entre outros. 

A alternância dessas fases quentes e frias fazem parte da variabilidade climática do planeta e são referidas como El Niño-Oscilação Sul (ENOS). Tal oscilação representa a mais expressiva flutuação interanual do sistema climático global. No entanto, na escala de décadas, devido ao aumento do CO2 e de outros gases que retêm calor na atmosfera, tendências observadas já exibem uma acentuada elevação na temperatura média global, e projeções futuras apontam para uma continuidade desse padrão no decorrer do século 21, caso as emissões não sejam reduzidas. Com o aquecimento global, espera-se que as temperaturas da superfície do oceano aumentem mais rapidamente na região equatorial do planeta. Assim, diversos estudos indicam que o aquecimento global elevará a frequência e a intensidade de fenômenos El Niño. Entretanto, a variabilidade dos modos de ENOS é fortemente não-linear, e algumas pesquisas mostram que as mudanças climáticas podem ser decorrentes também de intensos fenômenos La Niña. Dessa maneira, as consequências do ENOS sobre o Brasil, por exemplo, poderiam ser intensificadas. Durante episódios de El Niño (La Niña), geralmente os acumulados pluviométricos se estabelecem abaixo (acima) da média histórica nas regiões Norte e Nordeste, e acima (abaixo) da média histórica na região Sul do país.

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-83943
725_480 att-83829
725_480 att-84036
725_480 att-83887
725_480 att-83805
725_480 att-83856
725_480 att-84001
725_480 att-83776
725_480 att-83775
725_480 att-83821
725_480 att-84048
725_480 att-83963
725_480 att-83905
725_480 att-83952
725_480 att-83992

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-88105
725_480 att-88106
725_480 att-87855
725_480 att-87818
725_480 att-87249
725_480 att-87246
725_480 att-86573
725_480 att-85956
725_480 att-85957
725_480 att-85667
725_480 att-85808
725_480 att-84987
725_480 att-84858
725_480 att-84281
725_480 att-83456