Instituto de Física
Universidade Federal Fluminense

Teoria da probabilidade causa ‘derrapadas’ até mesmo em matemáticos experientes, pois a aleatoriedade pode dar um ‘nó’ em nossos cérebros. Mesmo problemas aparentemente simples podem levar a resultados distintos: é preciso saber não só ‘o que’ se calcula, mas ‘como’ se faz isso 

A teoria da probabilidade costuma causar espécie, de iniciantes a especialistas. Possível motivo: nossos cérebros têm dificuldades com aleatoriedade. Exemplo: entender que 1-2-3-4-5-6 na Mega-Sena tem a mesma probabilidade de sair que 4-5-10-34-58-59. Ambas são igualmente aleatórias. Outro exemplo? João acertou a Mega-Sena desta semana. A probabilidade de ele acertar na semana que vem é a mesma, porque o passado não importa.

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-80500
725_480 att-80418
725_480 att-80216
725_480 att-80517
725_480 att-80330
725_480 att-80632
725_480 att-80611
725_480 att-80577
614_256 att-80543
725_480 att-80473
725_480 att-80729
725_480 att-74188
725_480 att-80314
725_480 att-80689
725_480 att-80355

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-87646
725_480 att-87202
725_480 att-86475
725_480 att-86019
725_480 att-85747
614_256 att-85214
725_480 att-84801
725_480 att-84371
725_480 att-83992
725_480 att-83589
725_480 att-83236
725_480 att-82663
725_480 att-82163
725_480 att-81721
725_480 att-80971