Bruxas na Antiguidade

Curso de Especialização em Literatura Infantil e Juvenil
Faculdade de Letras
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Escritora de livros para crianças

Canídia, Medeia e Circe – capazes das crueldades mais elaboradas – podem ter sido as matriarcas de todas as feiticeiras que as sucederam na literatura

CRÉDITO: IMAGEM: MADEMOISELLE CLAIRON EN MÉDÉE, DE CARLE VAN LOO (1760) / DIVULGAÇÃO

A palavra bruxa tem origem incerta, mas é muito provável que tenha vindo de alguns dos dialetos ibéricos, e não do latim. Se assim fosse, a palavra também apareceria no francês e no italiano, o que não acontece, uma vez que, na língua francesa, temos sorcière, e, na italiana, strega.

Há historiadores que defendem que a primeira aparição de bruxa se deu entre os sumérios e babilônicos, na figura de Aradat ou Lilitut, que seria um espírito feminino, frio e estéril, dotado de asas, com pés e mãos em garras, sempre seguido por corujas e leões. Esse modelo de bruxa movia-se velozmente durante à noite, soltando uivos estarrecedores, seduzindo homens adormecidos ou bebendo-lhes o sangue. 

Já na Antiguidade clássica, passaram a ser conhecidas também como feiticeiras. Um dos primeiros registros que se tem notícia na literatura é do século 5 antes da nossa era, com um dos mais importantes poetas de Roma: Quinto Horácio Flaco, cuja obra vai do gênero lírico ao satírico. A sátira foi muito explorada no tempo de Horácio, época em que os desmandos, as atrocidades e a corrupção dos imperadores e políticos eram criticadas e ridicularizadas pelos poetas. Além disso, as mulheres também eram lembradas nos poemas, ora como musa, ora como cruéis, assassinas, falsas e libidinosas. E é como vil assassina que Horácio vai se referir a Canídia, a primeira bruxa do poeta. Uma mulher poderosa que matava animais e crianças para retirar-lhes o sangue a ser utilizado na fabricação de diversos filtros mágicos – alguns com o propósito de manter a juventude eterna, a beleza; outros, para a conquista de amores.

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-84441
725_480 att-84276
725_480 att-84242
725_480 att-84493
725_480 att-84947
725_480 att-84224
725_480 att-84191
725_480 att-84268
725_480 att-84281
725_480 att-84229
725_480 att-84236
725_480 att-84249
725_480 att-84383
725_480 att-84407
725_480 att-84261

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-88136
725_480 att-87837
725_480 att-87273
725_480 att-86764
725_480 att-86138
725_480 att-85584
614_256 att-85227
725_480 att-84749
725_480 att-83952
725_480 att-83581
725_480 att-82914
725_480 att-82670
725_480 att-82211
725_480 att-81727
725_480 att-81342