Alternativas contra picadas de serpentes venenosas

Instituto de Biologia
Universidade Federal Fluminense
Instituto de Química
Universidade Federal Fluminense

Novas substâncias da classe das sulfonamidas mostraram-se eficientes na neutralização de algumas ações tóxicas dos venenos de duas espécies, como edema, hemorragia e morte

CRÉDITO: ADOBE STOCK / EXTRAÇÃO DO VENENO DA JARARACA-DA-BAHIA (BOTHROPS LEUCURUS)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, a cada ano, ocorrem cerca de 5,4 milhões de acidentes com cobras e de 1,8 a 2,7 milhões de envenenamentos por serpentes, resultando em 81 a 137 mil mortes. Além dos óbitos, cerca de 400 mil vítimas ficam com alguma sequela incapacitante. Os acidentes ofídicos (provocados por cobras) representam um problema de saúde pública em todo o mundo. Em 2017, foram incluídos pela OMS na lista de doenças tropicais negligenciadas, que acometem, na maioria das vezes, populações pobres que vivem em áreas rurais, desencadeando discriminação, abandono, perda de renda, dívidas, problemas de saúde mental e redução da qualidade de vida.

Venenos de serpentes são misturas complexas de várias toxinas de natureza proteica, incluindo L-aminoacido oxidases, hialuronidases, metaloproteinases, serinoproteases, fosfolipases e outras substâncias que causam extensa hemorragia e necrose (morte do tecido) no local da picada. 

No Brasil, a principal família de serpentes peçonhentas é a Viperidae (víboras), representada por três gêneros: Crotalus (cascavéis), Lachesis (surucucus) e Bothrops (jararacas), sendo este último o responsável pela maioria dos acidentes ofídicos – cerca de 90%. A Bothrops jararaca e B. jararacussu estão entre as espécies mais venenosas (figura 1). A primeira é encontrada no sul do Brasil, Paraguai e norte da Argentina, enquanto a B. jararacussu ocorre da Bahia a Santa Catarina e no Paraguai, sudeste da Bolívia e nordeste da Argentina.

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-83943
725_480 att-84036
725_480 att-83887
725_480 att-83805
725_480 att-83856
725_480 att-84001
725_480 att-84078
725_480 att-83776
725_480 att-83775
725_480 att-83821
725_480 att-84048
725_480 att-83963
725_480 att-83905
725_480 att-83952
725_480 att-83992

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-88220
725_480 att-87755
725_480 att-87350
725_480 att-86492
725_480 att-86001
725_480 att-85578
725_480 att-85004
725_480 att-84761
725_480 att-84276
725_480 att-83596
725_480 att-82941
725_480 att-82066
725_480 att-81484
725_480 att-80993
725_480 att-80500