A informação geográfica como estrela

Departamento de Geografia
Instituto de Geociências
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Autores convidados:

Departamento de Geografia
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Departamento de Geografia
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Quem poderia imaginar que shows do Coldplay e aberturas de espetáculos esportivos se baseiam em muita geoinformação?

CRÉDITO: XYLOBANDS.COM / DIVULGAÇÃO

Já vivenciou alguma situação, seja em shows ou partidas de esportes, em que a organização de participantes ou artistas formava uma imagem? Tomemos como exemplo os jogos de futebol de um grande campeonato internacional em que todos os torcedores de determinado setor se deparam com um pedaço de uma imagem que isoladamente não tem muito sentido, mas quando agregada a outras partes constitui uma imagem completa, como um grande quebra-cabeça. As peças vêm com instruções detalhadas sobre como e quando levantá-las, além de alertas para não deslocá-las. Outro exemplo é o caso das apresentações de artistas que se organizam para que a disposição dos seus corpos numa dada posição forme uma imagem. O que esses dois exemplos têm em comum? Além dos esforços em memorizar uma coreografia composta por movimentos treinados para garantir uma lógica espacial, é preciso respeitar a localização dos elementos em um dado tempo estabelecido – o que em outras palavras, é traduzido como geoinformação. 

Esse tipo de dinâmica, bastante comum em eventos de grande visibilidade por cativar o público pela beleza e complexidade envolvidas, está sendo cada vez mais realizado com o uso de geotecnologias. Podemos nos lembrar do show realizado durante a abertura das Olimpíadas de Tóquio, em 2020, no qual mais de 1.800 drones executaram uma complexa sequência de formas e figuras semelhantes às cenas projetadas por um holograma. Outro exemplo foi observado nos shows da banda britânica Coldplay, que, de forma mais pessoal e participativa, utilizou-se pulseiras personalizadas, as xylobands, distribuídas ao público para criar efeitos luminosos associados às músicas, produzindo efeitos especiais sincrônicos temporal e espacialmente. 

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-83943
725_480 att-83829
725_480 att-84036
725_480 att-83887
725_480 att-83805
725_480 att-83856
725_480 att-84001
725_480 att-84078
725_480 att-83776
725_480 att-83775
725_480 att-83821
725_480 att-84048
725_480 att-83905
725_480 att-83952
725_480 att-83992

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-88295
725_480 att-87192
725_480 att-86129
725_480 att-85445
725_480 att-85037
725_480 att-84560
725_480 att-84407
725_480 att-83519
725_480 att-83228
725_480 att-82731
725_480 att-82341
725_480 att-81738
725_480 att-80958
725_480 att-80689
725_480 att-79873