A desigualdade como projeto

A naturalização de uma ordem social hierárquica e desigual como base de formação do Brasil é tema central do livro A sociedade perfeita

A sociedade perfeita: as origens da desigualdade social no Brasil

João Fragoso

Editora Contexto, 2024, 352 p.

Consagrado um dos nossos principais historiadores na atualidade, João Fragoso desnuda as vigas do edifício da desigualdade brasileira em A sociedade perfeita. Fruto de extensa pesquisa bibliográfica e documental, o livro, lançado em 2024 pela editora Contexto, propõe uma história em que a concentração de riqueza e distinção social são elementos de base na formação do Brasil.

Para leitores não afeitos às discussões historiográficas sobre o período colonial brasileiro, cabe alertar que Fragoso é um dos principais críticos às teorias do “sentido da colonização” e do “Antigo Sistema Colonial”, teses clássicas que aprendemos na escola. Nelas, grosso modo, o Brasil seria colônia da metrópole, Portugal, que o exploraria. A colonização serviria, portanto, para o desenvolvimento do capitalismo nos centros europeus.

A crítica do autor a este modelo foi feita há mais de 30 anos. Em A sociedade perfeita, ele avança, e muito, nos seus postulados. De certa forma, o título da nova obra é uma metáfora aos fundamentos de uma cultura política sedimentada no Brasil desde seus primórdios. A dita perfeição reside no processo de naturalização de uma ordem social hierárquica e desigual. 

Por mais estranho que pareça, segundo tratados políticos e religiosos medievais e modernos, muito distantes das atuais noções de igualdade e democracia, a desigualdade era sinal de que a sociedade funcionava bem, assim como um corpo, cada parte tinha seu lugar em uma ordem naturalmente hierarquizada. Desta forma, a diferença entre as pessoas, o uso da autoridade, da opressão, da inferiorização, das relações de dependência ou da violência seriam todos elementos naturalmente dados e que deveriam ser aceitos fatalmente por todos.

A desigualdade e as hierarquias não eram dadas pelo mercado liberal, mas pela tradição. A ordem era natural, dada por Deus, logo as relações de poder e a obediência deveriam ser respeitadas.

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-87157
725_480 att-87350
725_480 att-87227
725_480 att-87306
725_480 att-87325
725_480 att-87110
725_480 att-87386
725_480 att-87257
725_480 att-87249
725_480 att-87246
725_480 att-87266
725_480 att-87219
725_480 att-87282
725_480 att-87192
725_480 att-87234

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-78503
725_480 att-87676
725_480 att-86841
725_480 att-86192
725_480 att-85621
725_480 att-85391
725_480 att-84884
725_480 att-84358
725_480 att-83636
725_480 att-82256
725_480 att-81851
725_480 att-81103
725_480 att-80435
725_480 att-79811
725_480 att-79455